Psicomotricidade e a criação de memórias na velhice

Munida desse rico manancial psicomotor, filosófico, da memória social, das artes e das atuais contribuições da Gerontologia, a autora reflete sobre a prática que desenvolveu no percurso pedagógico realizado na UnATI. Cria singulares conceitos como o de Palco (com P maiúsculo) da Oficina, memória-palco e memória trágica, entre os mais importantes do seu vasto instrumental hermenéutico.

 

O Palco é entendido como o acontecimento que surge na Oficina, e não se reduz às tábuas, ao circulo cênico ou ao lócus onde se desenrola a apresentação teatral, musical ou de Psicomotricidade. Ele è entendido como espaço simbólico - seja nas tábuas do palco, literalmente, ou na rua, no pátio da UERJ ou outro lugar- em que se produz a transmutação, a transfiguração dos velhos, esquecidos dos seus papéis habituais, ao encarnarem inúmeros personagens, cenas e situações.

 

Cristie compara os velhos com os dionisiacos metamorfoseados, embriagados, na representação das antigas tragédias gregas. Nessa transformação, surge uma memória súbita, pontual, instantânea, que se desenrola nesse Palco, na interpretação ou no jogo da Psicomotricidade, entendida como memória-palco, que permite esquecer o dia a dia ao assumir máscaras intensas e alegres.

 

Do prefácio de Miguel Angel de Barrenechea

 

Psicomotricidade e a criação de memórias na velhice

SKU: CMCDCS01
R$ 65,00Preço
  • Psicomotricidade e a criação de memórias na velhicea partir da perspectiva nietzchiana

  • Cristie de Moraes Campello